Total de visualizações de página

30 dezembro 2011

Crônica das Nuvens:Capitulo IV

Capitulo IV

Os reflexos de um novo dia formavam-se na imensidão do mundo de nuvens ao seu redor. A grama arroxeada de reflexos a guiava por seu caminho, seguia o vento para longe da cachoeira de formação, para o ponto mais alto das nuvens.
“O que tem nesse lugar?” sua pergunta ecoava pelos morros rosados para o horizonte que aos poucos ficava azul.
“Eu não sei bem” e a voz dele voltava como a brisa de deleite da manhã em seu rosto.
A menina interrompeu seus passos e suspirou aquela sensação. A quanto tempo? Quanto tempo não sentia a brisa do amanhecer fora de casa? A leve sensação de respirar o primeiro ar do dia. E espreguiçou-se como se houvesse acabado de acordar.
E quando abriu os olhos o vento a olhava de cima de um pequeno morro que dava para a nova trilha, muitas novas trilhas na realidade, que se  formavam no amanhecer de um novo dia naquela nuvem.
“Demos sorte. A nuvem fez seu primeiro aniversário.” Ele disse lhe estendendo a mão para que continuassem.
“Primeiro aniversário?” ela questionou subindo com seu auxilio.
“Agora essa nuvem tem um dia completo. Não é uma sorte?” ele disse com enorme satisfação. “ E eu tenho orgulho de minha nuvem.”
“O que é ter só um dia?” ela perguntou com o realismo de um adulto apressado e a petulância de uma criança desatenta.
E o vento pareceu se irritar com essa pergunta.
“O que é um dia para você, humana?” repeliu com azedume e um certo desgosto. “Um tempo de espera para o resto da vida? Um dia passa assim tão rápido para quem corre, como vocês que habitam o plano terrestre de uma realidade apressada. O que é ter só um dia? Não é nem tempo de começar um projeto. Não é nem tempo de viver um romance. Não é nem tempo de viver sua vida. O que é ter só um dia? Para vocês é um dia de trabalho. Um dia de estudo. Um dia de construir o futuro. Mas até parece que vocês não sabem que o dia seguinte é o futuro... ‘só mais um dia?’ O que é ter só um dia?”
E a menina parou para refletir enquanto o vento abria os braços longos que apontavam ao redor, e soprava nas direções mais variadas de sua nuvem.
“Mas para uma nuvem um dia é uma vitória. É ter sobrevivido a um dia de passeios pelo céu, de metamorfoses desse mundo inconstante. Porque é assim que somos, a nuvem e eu. Um dia é todo um tempo, são mais de horas, são mais de minutos, são mais de segundos. É tempo de estar em muitos lugares. É tempo de se tornar bela e cheia. É tempo de construir um mundo. Um dia é uma vida inteira para quem poderia acabar-se em segundos”
A menina começou a pensar em seus dias ociosos. Em seus dias corridos. Em seus planos para o futuro. A maioria das vezes, sua expectativa era de que o tempo voasse para o futuro. E assim era com sua mãe. E assim era com seus amigos. E assim era com todos os que viviam ao seu redor. O que era apenas um dia?
“Talvez, eu devesse viver um dia como uma nuvem.” Ela concluiu.
“Ou talvez você devesse viver um dia para uma nuvem.” Ele respondeu.
“O que isso significa?”
“Venha.”
                E eles seguiram seu caminho para o ponto mais alto das nuvens, enquanto o que ficava para trás começava a embranquecer, e ao fundo da paisagem, outras nuvens surgiam,outros mundos surgiam, guiados por muitos ventos, orgulhosos de suas nuvens que haviam completado mais um dia.  
Cronica das nuvens
Continua...

25 dezembro 2011

Feliz... ANIVERSÁRIO ENTRE AS NUVENS!

"Um dia as nuvens nos levarão para um lugar distante..."


Dia 25 de dezembro. Talvez eu devesse fazer uma postagem de feliz natal, mas não é isso de tão importante pra mim nesse dia de hoje.
Quer dizer, eu gosto de Natal, bastante até, apezar de estar me desacostumando a comemorar da maneira tradicional, com família, presentes e tudo mais. Só que hoje, meu "mundinho colorido de Nuvens" completa um ano.
Isso mesmo, um aninho, o Entre as Nuvens aind é um bebê. Eu não vou dizer que passou rápido, porque pra mim já parece muito tempo, ainda mais com o apoio de vocês da blogosfera, sempre me incentivando, visitando o blog. Olha isso mais de 15 mil visualizações de um blog que eu esperava usar só para postar alguns textos e desabafos. 86 seguidores... parece pouco, mas eu conheço praticamente todas as pessoas que tem suas fotos ali ao lado me apoiando sempre, e aqueles que eu não conheço, quero muito conhecer.
Eu sei que 86 seguidores não significa 86 visitas garantidas, mas... eu sei bem das pessoas que visitam sem seguir, os famosos "leitores fantasmas". Não importa se vocês não se manifestem, contanto que as mensagens do blog cheguem até vocês.... ess blog tem visualizações estrangeiras, mano!! kkkkk
Bom, por mais um ano eu espero continuar com o Entre as Nuvens, um blog que não é profissional, e que não tem um "objetivo especifíco" senão divulgar os meus textos, minhas opiniões... é bom saber que tem gente que dá valor e se diverte com essa MALA/AMADA...
Vocês já repararam que mudou né? Desde o começo a intenção do nome era esse jogo de palavras. Mala+amada... porque eu sei que sou uma mas, mas eu me sinto muito amada por todos vocês
Bom gente, post meloso de praxe, agradeço também aos meus parceiros.
Um beijo a todos vocês. Fica aqui uma classificação dos meus posts mais antigos favoritos pra quem quiser relembrar.

MALAMADA:
O som das palavras
100factsaboutme

Cultura:
Shisha/Shishimai: protetores da ilha de okinawa

Livros:
Cinderela Chinesa

Histórias:
Vazio
Doce!

Nuvens:
Primeira postagem do blog:Nuvens, solidão e um paraíso.
Nuvens, um pedido aquem não conheço

18 dezembro 2011

MALAMADA: Na praia

E ai pessoal??!
Como vão vocês??
Eu sumi, como de praxe, não é mesmo?!
kkkk
É que estou VIAJANDO em florianopulis.
Estou aqui com minha tia, fazendo mil reflexões, curtindo os cachorros aqui da casa, bolando novas postagens e tudo mais... Então, pra não deixar o blog em hiatus, vim aqui contar pra vocês como estou o/
Fica ai algumas fotos daqui<3
Agente se vê quando eu voltar! Beijos!



29 novembro 2011

E sobre o Blog?? Tag e desafio de Não-natal-Oferecido por Milky do Death&Strawberry

Oi gente, tudo bom com vocês??!!
Bom, não sei se ja falei pra vocês, mas tenho um ótimo conselho.
Quem está procurando uma diversão bacana e novos blogs para visitar, pode clicar ali nos banners dos parceiros com convicção, porque eu afirmo que vão encontrar ótimo conteúdo!
Hoje eu vim aqui responder uma Tag para qual o ENTRE AS NUVENS foi indicado pela FOFÍSSIMA Milky do Death&Strawberry.
Como funciona essa Tag?



-Basta respondê-la
-dizer quem te indicou
-e indicar para mais 10 blogs!!

Vamos nessa?
  • Cor favorita: Rosa, quem duvida pode conferir essa foto da minha mochila <3


  • Animal favorito: Eu gosto muito de cachorros... é, acho que sim, cachorros <3(ou raposas kkkk)
  • Número favorito: Eu não tenho um D:

  • Suas paixões: Meus amigos, minha família, escrever, ler, animes, comics, o vistlip(kkk), coisas fofas, roupas.... e a lista segue ad infinitum.

  • Facebook e Twitter: Face(curtam o Entre as Nuvens!) e @EntreasNuvens / @M1Sayuri

  • Flor favorita: Ah.... eu gosto muito de flores, mas não tenho uma favorita. Sakuras, são lindas(copiando a Milky kkkk)

E agora o DESAFIO DE NÃO-NATAL

2 Coisas sobre mim
-Eu assisto MUITO desenho animado, e gosto mais de desenhos do que de Live-actions
-Quando me empolgo com um filme, começo a gritar com a TV

O que eu quero de natal:
  • Um zettai Kareshi embrulhado pra presente.... NÃO? kkkkkkk
  • Muitos comics da DC, principalmente da DC Kids (eu to ficando muito viciada nisso ;^;)
  • Coisas fofas <3
  • Acho que é só, eu ja ganhei tanta coisa linda de aniversário.

E os 10 magníficos blogs sããão....
LITTLE DIAMONDS
CINEMA&LITERATURA
WAKARANAI
(INS)PIRAÇÕES
HACHIIKKO'S MIND
 E... vou fazer diferente... quem comentar nessa postagem está automaticamente indicado e/ou pode indicar alguém pra fazer aqui mesmo (sim, isso é preguiça kkkk)
um beijão!!!
Da sua MALA/AMADA

26 novembro 2011

MALAMADA: That Best one-Para Dora Leiria do Little Diamonds


Todo mundo tem aquele “melhor e único amigo”, não é verdade?
Eu tenho muitos amigos bons, pessoas a quem devo muito em diferentes momentos da minha vida, e com certeza sou muito grata a todos eles. Afinal, uma pessoa sem amigos não é muita coisa… eu me sinto assim quando estou afastada deles.
                Mas todos temos uma história especial com alguém, não é verdade?
                Foi em 2008, num ocasional primeiro dia de inglês.
O curso em que eu fazia aulas havia acabado de fechar e eu acabei tendo que fazer testes de nivelamento em todos os cursos da cidade. Entre Wizard, Fisk e até o cultura inglesa (ah, como eu tremi de medo quando entrei lá) acabei fazendo provas em mais de dez escolas. Até que, por indicação de uma pessoa, acabei indo parar no CNA.
                Que eu me lembre, éramos quatro na sala. Eu, um menino tímido que sentava no canto(eu ainda lembro do Douglas kkk) , a professora, e uma menina bastante sorridente sentada no lado contrário ao meu. Deviam haver mais alunos, mas não me recordo bem.
                A professora mandou que nos apresentássemos e disséssemos do que gostávamos entre outras coisas.  Também, essa minha memória estranha que escolhe o que quer lembrar, não me permite a recordação de exatamente como aconteceu, mas eu sei que, o que fez eu e a Dora imediatamente notarmos que seriamos amigas foi dizermos: “eu gosto de anime”
                Acabamos nos juntando em todas as aulas para conversar, e durante dois anos estudamos juntas, nos nossos “Saturday mornings” divertidos em que enlouquecíamos os professores de tanto falarmos.

 Contanto que fosse em inglês eles não se importavam tanto.  Começamos a trocar cartas, eu lhe apresentei o J-rock, ela me ajudou com o K-pop e descobrimos que, ambas eram escorpianas até o osso e que fazíamos aniversário com apenas 10 dias de diferença!! Foi ai que começou a história de “ my dear Twin”.
                Juntas criamos personagens, lemos e comentamos as histórias uma da outra e nos apoiamos nas mais diversas situações de nossas vidas.
                Infelizmente ela teve de parar o Inglês, mas continuamos a nos comunicar e nos encontrar, ainda mais do que antes, para não deixarmos morrer a amizade.
                No final do ano passado eu passei por uma separação difícil, a separação de uma pessoa de quem eu gostava muito e que inspirou alguns poemas desse blog. Mas a Dora, my dear Twin, estava lá, ao meu lado, pra me apoiar e não deixar eu chorar (muito kkkk).
                Eu ouvi algumas pessoas dizendo que eu fiz da Dora uma substituta para essa pessoa. Posso dizer que essa é a MAIOR BALELA E BESTEIRA QUE ALGUM DESOCUPADO PODERIA DIZER(Vai cuidar da sua vida Mané kkkk).
                O lugar que a Dora ocupa no meu coração é MAIS DO QUE ESPECIAL e ela conquistou por mérito, por ser alguém tão fofa e adorável que NUNCA me deixou na mão, mesmo nas situações mais difíceis. Nossa amizade pacifica, cheia de risos escandalosos, personagens criados juntos, histórias montadas na maior loucura e APOIO MÚTUO foi o que fez da Dora a pessoa INFINITAMENTE ESPECIAL que ela é para mim.
                Agora, my dear dearling, que nós duas passamos aos 18 anos JUNTAS, que venham muitas histórias juntas, muitas felicidades e paixões, e quem sabe, aquela nossa cena magnífica, nós duas tomando café juntas, num dia de frio, sentadas à janela de uma cafeteria, discutindo o sucesso de nossos mais novos livros.
                Twin, eu te amo <3

Beijos, da sua MALA/AMADA

24 novembro 2011

E sobre o Blog?? Concurso Miss Blog 2011

Olá pessoal, tudo bem com vocês???<3
Gente, venho aqui pedir pra vocês me ajudarem nas votações do Concurso Miss Blog 2011
o concurso foi criado pelo David do Garoto Nerd , onde foram convidados os blogs Menina Nerd , Perfeitinha , Perfect Match e Quase puberdade.
Vocês podem entrar em qualquer um dos sites e votar... é claro que eu peço pra vocês votarem no Entre as Nuvens kkkkkk
A enquete está ao lado direito, mas pra quem não consegue achar tem um método:
-Aperte Ctrl F.
-Digite Entre as Nuvens.
-Você vai parar na enquete
-Agora é só votar kkkkk

Vários blogs repletos de seguidores estão participando, mas eu conto com o apio de vocês pra conseguir pelomenos alguns votinhos <3
se cuida gente! da sua
MALA/AMADA

23 novembro 2011

Nuvens, um desabafo de fim de ano

“E nessa desilusão me esvaio, abraçando a dor a miséria de meus sentimentos”

                Há uma dor intrínseca em mim. Sinto a decepção de ser, simplesmente, ser quem eu sou. Nos meus esforços vagos vejo o pó e a fragilidade que se faz de minha determinação. Vou morrendo pessoa, perdida nos confins confusos de minhas insuficiências e vou morrendo corpo, fustigado das crises gloriosas que se fazem mais e mais fortes, cada vez que voltam a atormentar o conjunto. Porque de alguma maneira elas sempre retornam, senão ao ponto de resolução. Talvez me sejam inatas, as crises.
                Ultimamente, o disfarce do sorriso e da alegria tem sido traídos pela língua comprida das reclamações ácidas, que envenenam muito mais a mim do que a qualquer outro. Sim, vou morrer de veneno próprio.
                É uma decepção tão pessoal que só me resta abdicar do disfarce e vivê-la plenamente, ainda mais nos últimos dias atolados das responsabilidades e cobranças a que, por mais que tente, ainda não consegui me habituar. Ainda mais há a expectativa do fim do ciclo. A proximidade da tranqüilidade não atenua de forma alguma o sofrimento. Pelo contrário, incita-o ainda mais a arder, como sal soprado na ferida em carne.
                Em carne viva e exposta, me sinto assim por dentro.
                Ainda se não houvesse o julgamento do outro, deixando-me livre para viver em plenitude esse momento de angustia, que mesmo sendo tão absurdamente incômoda me trás o beneficio da inspiração. Mas estou aqui, sujeita a olhares perniciosos de julgamentos que me tomam, eu “pessoa momento”, como “pessoa de todo tempo” e me acarretam perdas. Perdas essas com as quais já venho sofrendo.
                Nessa massa carregada de complicações, não vejo solução outra que não seja o desespero. E um olhar vazio, representante da falta de forças, que é tudo o que me resta, enquanto espero sumir esses sentimentos negativos, como em todas as outras vezes que revivi, de novo e de novo, esses momentos.

22 novembro 2011

Detestável


Aqui no ócio… repenso o que fiz. Que calamidade, não? Uma traição inaceitável, talvez.
Sinto como se fosse simplesmente… Detestável.
Gostaria bastante de dizer que sinto muito. Mas não se pede desculpas quando o ato permanece em segredo.
Por fora sou isso que vê. Por dentro sinto um demônio. A mesquinhez que tanto criticava.
Tomou conta dessa pessoa que está aqui naquele momento de traição. Ainda que não saiba.
Foi como um despejar de palavras impensadas. Mas talvez tenha pensado.
Talvez, não admito nada. Porque não sei de nada. Do que se passa nessa mente.
Tão própria minha, mente. Mente. Omite. Chora.
Arrependimento há. Mas de que vale o arrependimento depois da traição?
Agora incomoda. A vozinha que sussurra como tortura. Acusa de morte.
E ainda alimento esperanças, ainda alimento sonhos. Impróprios.
Ah se eu pudesse… cortar fora a língua que te traiu.
Dos muitos atos que cometi, as palavras de denuncia foram às piores.
Ah, mas você não perdoaria. Não.
E agora o que eu faço?
Aqui no ócio… repenso o que fiz.

20 novembro 2011

MALAMADA:My birthday> Aniversário

Então... dia Vinte de Novembro....
vocês não tem noção do quanto eu adoro aniversário.
Não sei porque, mesmo agora, que estou fazendo dezoito, o dia em que eu nasci continua tendo um valor muito especial para mim. Agora que vejo as pessoas que sequer ligam pra esse dia, começo a me preocupar com minhas espectativas. Não consigo imaginar um aniversário sem carinho, festa, amigos dizendo parabéns e mandando recadinhos especiais que te fazem sentir unica por um dia.
É um dia em que me sinto... importante, especial, feliz... entre muitos outros bons sentimentos.
Faz dezoito anos.
Dezoito anos de uma pessoa como eu... o que aconteceu todo esse tempo? Dezoito aniversários, isso é o suficiênte para enjoar?
Para mim ainda não foi.
Eu fiquei feliz, ouvindo os parabéns, muitas palmas, alguns vivas...
Me sinto até meio boba.
Mas... parando agora pra pensar...
Não tinha como ser diferente
Há alguns anos eu era muito diferente... mas continuo sendo a mesma pessoa. A mesma Mariana Sayuri, ou seja lá por qual nome as pessoas desejem me chamar. Mari, Mah, Sah, Say, Sayuri e até Mariana(que me dá arrepios, parece que estou levando bronca, mas tudo bem kkk)
De qualquer forma, eu peço perdão por tomar seu tempo com esse desabafo bobo... kkkk
Eu ainda espero algo muito especial, todos os anos. Meu coração bate mais forte nesse dia.
Obrigada pela paciência de ler até o fim =) Obrigada pelo carinho.
Por mais dezoito anos, que seja mais, eu conto com vocês. Contem comigo também!
Da sua, MALA/AMADA.

Eu em 2009 com o cabelo curto... vem ano vai ano e o cabelo é a única coisa que muda em mim kkk continuo com a mesma carinha sonsa.

14 novembro 2011

Infinite love: Bilingual postage.

            Hello foreigners that follow the blog Entre as Nuvens (Between the clouds). I always take a look at the blog’s statistics and see lots of accesses from Japan, EUA and others! So, even if you are just passing by and do not understand a word of what I post, thanks for visiting me. =)
            Thinking about it, I realized that I can, sometimes, post in English too, so these visitors can understand some of my ideas. I already apologize for any mistake I can commit in these postages, once my English isn’t THAT good.
            Today I want to talk about this Infinite love that I have for a Japanese band called Vistlip. It’s not an “Infinite” like: It’s gonna last forever, but infinite such as fan’s love should be, in intensity. Today I was watching their most recent live DVD [revelation space], and suddenly realized that today, there in Japan, it’s already November 15th. So today is Vistilip’s bass men Birthday: TODAY IS RUI’S BIRTHDAY!!!!
            I can’t say that I have a favorite member in this band, once it’s already my favorite one, but I can say that what I feel for Rui is special(such as for Tomo, but that’s another story kkkkk). I hope he have a great Birthday and lot of success in his life!
            Well… I know that he’s probably not going to read this, or know someday that what I want for him is the best that the world can give, but I hope somehow  he can feel it, and lot’s of other fan’s love, such as mine, an huge, infinite love for him and Vistlip.

Thank you Rui, Thank you Vistlip. Thanks for the infinite love.
How about you? Do you have any infinite love?

Bye bye! Se you soon! ;D
_+_
            Olá estrangeiros que seguem o blog Entre as Nuvens. Eu sempre dou uma olhada nas estatísticas do blog e vejo vários acessos do Japão, Estados Unidos e outros países de língua estrangeira. Então, mesmo que você apenas passe pelo blog e não entenda nada do que eu escrevo, muito obrigada por me visitar!
           Pensando nisso, eu me toquei de que posso, de vez em quando, postar em inglês, para que esses visitantes possam entender algumas das minhas idéias. Eu já vou pedindo desculpas por qualquer erro que eu possa cometer nessas postagens, já que meu inglês não seja TÃO bom.
Hoje eu quero falar sobre esse amor infinito que eu tenho por uma banda Japonesa chamada vistlip. Não é “infinito” do tipo: Vai durar para sempre, mas infinito como um amor de fã deve ser, em intensidade. Hoje eu estava vendo o DVD live mais recente deles [revelation space], e de repente me toquei de que hoje, no Japão, já é dia 15 de novembro. Então hoje é aniversário do baixista do Vistlip: HOJE É ANIVERSÁRIO DO RUI!!
            Eu não posso dizer que tenho um membro favorite na banda, já que ela é a minha banda favorita, mas posso dizer que o que eu sinto pelo Rui é especial (e também pelo Tomo, mas isso já é outra história kkkk). Eu espero que ele tenha um ótimo aniversário e muito sucesso na vida dele.
Bom, eu sei que ele provavelmente não vai ler isso, ou saber algum dia que o que eu desejo para ele é o melhor que o mundo puder dar, mas eu espero que , de alguma forma, ele possa sentir isso, e o amor de muitos outros fãs, assim como o meu, um enorme, Infinito amor por ele e pelo Vistlip.
Obrigada Rui, Obrigada Vistlip. Obrigada pelo amor infinito
E quanto a você? Tem algum amor infinito?

10 novembro 2011

Não me abandone jamais(Never ler me go)-Kazuo Ishiguro

Não me abandone jamais (Never let me go) –Kazuo Ishiguro
Editora: CIA DAS LETRAS
Ano de publicação: 2005
                Por que os alunos de Hailsham são tão diferentes? Que segredo se esconde por trás das doações? E qual a necessidade de sempre produzirem as obras de arte, se esforçando ao máximo para que elas vão para a galeria de Madame?Kathy e Tommy sabem que nem tudo lhes foi esclarecido, mas os outros parecem não se preocupar muito. Prestes a encerrar sua carreira como cuidadora, Kathy narra com imensa nostalgia suas recordações de Hailsham, suas amizades, principalmente com Ruth que viria, mais tarde, a se tornar sua rival.
                “Não me abandone jamais” é um livro bastante sutil, logo de inicio é sabida a presença de vários segredos e é possível deduzir do que se trata, mas de uma maneira muito delicada eles começam a vir à tona.
 A história me deixou presa ao máximo, pois a narrativa da acanhada Kathy envolve, repleta de um sentimento incomodo de solidão e amor contido. Não seria revelar um grande segredo dizer que, as “doações” realmente se tratam da doação de órgãos vitais, feitas pelos alunos de Hailsham e muitos outros como eles até que concluam suas curtas vidas. Acompanhamos a história de Kathy, Ruth, sua amiga geniosa com quem tem uma relação de ora harmonia, ora guerra, e Tommy, com quem vive um amor apagado, ate mesmo sem notarem. (O Tommy foi meu personagem favorito... foi difícil desapegar do livro por causa dele D:)
                Kazuo Ishiguro trás um “quê” de ficção cientifica ao livro, mas com certeza seu principal foco são os sentimentos humanos, o abandono, a solidão e principalmente, a sensação de que sempre há algo sendo escondido. Seriam os alunos de Hailsham e outros como eles dignos de possuir uma alma?
Sobre o autor: Kazuo Ishiguro nasceu em Nagasaki, Japão, em 1954 e mudou-se para Inglaterra aos cinco anos.  Define-se como um autor que deseja escrever romances internacionais, tem várias obras publicadas e se eu puder vou lê-las todas (risos)
                É uma indicação que, se vocês seguirem, não vão se arrepender. O livro virou filme também, mas eu indico assistir só depois de ler o livro!!! Mas fica ai o trailer e a música de Judy Bridgewater que inspirou o nome do livro:




Um beijo e até a próxima dica de livros!!!
De sua MALA/AMADA

08 novembro 2011

E sobre o blog??! Novidades!

E ai gente, tudo bom??!!
Eu trago duas novidades ao Entre as Nuvens!
A primeira delas é que o Blog agora tem um Twitter!
http://twitter.com/#!/EntreasNuvens --Follow me! ;D Aqui sempre serão postadas novidades sobre o blog e as novas postagens serão anunciadas!
Eeeee, pra quem quiser mandar sua opinião ou conselhos a respeito do blog o ENTRE AS NUVENS também tem um novo e-mail: ondevaoasnuvens@hotmail.com

Um beijo grande pra vocês e até mais!!!
MALA/AMADA
Mari Sayuri

06 novembro 2011

Shisa/Shishima-Protetores das Ilhas de Okinawa.



            Há muito tempo uma pequena aldeia da ilha de Okinawa era atacada por um imenso dragão que vinha todos os dias pelo mar. Certo dia, após um dos ataques, o rei de Okinwa apareceu e entregou a Chiga, um rapaz que morava na aldeia, uma pequena estátua de leão, dizendo-lhe que a colocasse na entrada da aldeia e ela protegeria a todos do dragão. Chiga o fez, colocando a estátua entre a praia e a primeira casa da aldeia, a sua.
            No dia seguinte os aldeões puderam ouvir o som das grandes ondas que se formavam no mar, sinal de que o dragão se aproximava. Sabendo da promessa do rei de que a pequena estátua de Shisa os protegeria, todos correram para as janelas, na esperança de finalmente verem-se salvos da grande intempérie que destruía a aldeia e ceifava vidas.
            O dragão saiu do mar, e ao deparar-se com a pequena estátua a encará-lo com os olhos expressivos e os grandes dentes afiados, sacudiu a cabeça, confuso. A estátua tremeu e todos ouviram um grande som, um rugido sublime, e de dentro dela surgiu um grande leão que atacou o dragão antes que este pudesse causar algum mal a aldeia. Os dois batalharam até sumirem no mar.
            Ao correr para a praia em busca do leão que salvara sua aldeia, tudo o que Chiga encontrou foram a pequena e intacta estátua do Shisa protetor e um calmo mar azul, onde os aldeões puderam voltar a pescar e se banhar sem a preocupação de que um dia o dragão voltasse a lhes aterrorizar.
            Desde então os Shisas são considerados protetores das ilhas de Okinawa.

Também conhecidos como Shishimai, os Shisa são criaturas míticas originalmente chinesas, conhecidas por protegerem os locais onde são colocados (normalmente templos e casas) de maus espíritos. São normalmente encontrados em telhados de casas, para protegerem-nas de desastres naturais, ou em duplas perto da porta ou portão. O macho fica de boca fechada, para segurar a prosperidade, e a fêmea de boca aberta, para atrair bons agouros.
            Os Shisa costumam ser  representados por acrobatas em festivais, normalmente guiados por “domadores” ou lutando contra dragões  em belas apresentações artísticas.
            Os Shisas aparecem em um trecho do filme Mulan (os Unos se disfarçam de Shisa para atacar o imperador) e também no desenho Pucca(apesar de esse ser coreano)
            Eu tenho dois Shisa em casa e um colarzinho protetor =)

Fontes de pesquisa:
http://migre.me/61XKB
E claro, nosso amado Google (risos)

03 novembro 2011

Crônica das Nuvens: Capítulo III

Capitulo III
                “Boa noite.” Ela respondeu com sorriso breve.
                Nada tinha de mal deixar parar um pouco o tempo para olhá-lo mais atentamente. Fazia tanto tempo que não deixava parar o tempo em sua vida rotineira.
                Ele tinha cheiro de água. Olhos de chuva. Cabeços curtos de vento, moviam-se sozinhos, como se ele próprio o fosse. Esses eram da cor do pôr-do-sol avermelhado. A pele era assim, como as nuvens diurnas. Ele era todo uma bela metáfora.
“O que faz aqui?” ele perguntou. E ao perguntar, ia-se aproximando sorrateiro.
                Gentil, de rosto e tom cativantes, ele ia fazendo acender na menina um sentimento delicado.
“As nuvens foram me buscar.” ela respondeu. E ao responder ia-se aproximando sem querer.
                E quanto mais perto, as nuvens sob seus pés iam virando vapor desalinhado e subia, e descia, e formava um novo chão, uma nova planta, um novo aspecto daquele mundo inconstante.
“E você?”
“Eu sou vento.”
“Vento?”
“Eu quem guia essa nuvem, eu sou vento.”
                E a menina concordou. Ilógico sim, mas não inacreditável. E se não era inacreditável, ela sempre se deixava acreditar.
“Na realidade… o incrível é bastante relativo.” disse para si mesma enquanto o olhava.
“Perdão?” ele perguntou confuso.
                A menina negou com a cabeça e sorriu. Um sorriso impensado, que logo a levou a um sentimento profundo de vexame, a pensar que sorrir por algo tão bobo era vergonhoso. Mas ele sorriu de volta, como quem percebia o embaraço.
                Não foi algo grandioso, um momento único em todas as suas vidas, não, longe disso. Um instante de segundos antes de desviar o olhar. Não épico. Apenas bonitinho. Apenas isso.
                E em seu peito algo parecia se iluminar longe de toda a monotonia de seu coração. E assim o sol nascia. E as nuvens iam ficando cor-de-rosa.
Crônica das Nuvens…Continua…

01 novembro 2011

E sobre o blog??! DE VOLTA COM NOVO LAYOUT!!

Olá pessoal!!!!!!!!
Ai que saudades desse meu cantinho com meus amigos, etc, etc, etc.
Bom, a MALAMADA favorita (ou não) de vocês está de volta e agora com novo layout!
Tudo fofo, novo e lindo do jeito que eu gosto!!! kkkk
Depois de um tempo tão longo (foi tão longo que eu acabei nem calculando kkkk) finalmente tive uma brecha na faculdade para voltar a me dedicar ao Entre as Nuvens. Ja tenho várias postagens prontas, novos poemas, novas histórias, a continuação do Crônica nas Nuvens e... um pouco sobre a cultura que gosto pra compartilhar com vocês, por que não?

MAAAS, nesse breve post o que quero mesmo é saber a opinião de vocês sobre esse novo layout, produzido por mim (deu trabalho ein!)
E quem puder me ajudar espalhando a noticia de que estou de volta... eu AGRADEÇO!!!



Um beijo pra todo mundo! Estava com saudades!!
Da sua MALA/AMADA! Mari Sayuri

11 outubro 2011

Hiatus

Oi pessoal!! Tudo bom com vocês?
Espero que estejam bem e que não estejam preocupados com essa louca MALAMADA que não vem postar desde o mês passado.

Pois é gente, chega uma época do ano que a situação fica meio caótica e é dificíl conciliar tantas coisas ao mesmo tempo.
Portanto, hoje, venho aqui anuciar pra vocês que o ENTRE AS NUVENS vai entrar em hiatus por um tempo.

Espero que isso não preocupe vocês ou desanime, porque garanto que não vai passar de um mês. Nesse período vou estudar para as provas da faculdade, fazer meus trabalhos finais do ano e também, estudar um pouco mais sobre blogs, porque pretendo fazer uma boa reforma aqui, tanto visual quanto na organização das postagens para que o blog fique ainda melhor para vocês.

Aos meus leitores, parceiros e amigos blogueiros, muito obrigada por todo apoio até agora. Não desistam de mim ein!! Logo que possivel eu voltarei a comentar suas postagens e estar presente em seus blogs também, para apoiá-los tanto quanto vocês fazem a mim.

Pretendo voltar com a continuação de Crônica das Nuvens, mais nuvens, devaneios da MALAMADA e muitas outras coisas que... bom ainda vou planejar (risos)
Por favor, não hesitem em vir aqui de vez em quando conferir as postagens mais antigas, ou só pra matar a saudade!

Obrigada pelo apoio! Muitos beijos e abraços!
Até logo!

26 setembro 2011

Desapego-?

(leiam da maneira que desejarem)
Em frenezi total...
Pelo chão espalhadas,
Lembranças que nada lembram
obscuros déjà vu vindos
do futuro.
Desistir é fácil
quando se tem distrações
O desapego...
é quase automático
depois da primeira vez-


(Emoções simplesmente                                                        Liberdades simplesmente
       falsas,                                                                      insanas,
que permeiam os corações,                                        que apetecem nossas vidas,
    momentâneas,                                                                permanentes,
surreais,                                                                               intraduzíveis,       
    Nada realmente importa                                             E são, assim, necessárias
à não ser essas raízes profundas                                           que sem elas
que me constituem                                                               assim me destroem)

19 setembro 2011

Nuvens, pensamentos a caminho de casa

Acho que ja falei que preciso andar quatro quadras do ponto de ônibus para chegar até em casa.
As vezes o sol está muito forte.
As vezes meus pensamentos vão voando entre histórias, trechos, ou simples pensamentos do meu dia-a-dia.

Esse foi um deles:

E assim, sou como o céu, como uma pintura incerta que se modela num ciclo constante e interminável.
Sou como o texto literário e seus períodos, suas releituras.
Eu sou o rio transformado das águas inconstantes.
Eu sou terra fértil semeada.

Ainda sim...

E assim sou como a árvore fixa, como carvalho sólido de raízes profundas na terra.
Sou papel amassado sem uso, poesia rasgada e esquecida.
Eu sou rochedo imóvel.
Eu sou terra árida azeda.

E nesse paradoxo eu vou sendo o que sou… eu vou sendo o que digo.
Não muito mais do que sou.
Eu.

09 setembro 2011

Crônica das Nuvens: CapítuloII

Capitulo II
                Era o acordar de um fim de tarde tangido de amarelo e laranja. Os olhos redondos se abriram úmidos. De braços abertos ela se estendia naquele chão quase sólido-líquido-gasoso, que não conseguia entender.

                Era tudo embaçado como no sonho mais bonito que tivera. Sentou-se e viu. Para além de onde estava havia todo um mundo amarelo opaco e laranja, algum branco talvez.
                Havia montanhas, lagos, florestas, planícies e estepes, mas nada disso condizia com a realidade da menina. Era tudo como aquele chão em que estava sentada, de aparência impalpável.
                Levantou-se, os cabelos tão leves que flutuariam se não estivessem grudados à cabeça. Caminhou e caminhou em busca de respostas. Que lugar era ali? Que realidade era essa? Qual o gosto de si mesma?
                Essa última pergunta, estranha, pairava na consciência de forma confusa. Não o gosto gustativo, que se pudesse escolher seria morango. Mas sua essência de viver.
                Seria sua vida azeda e suculenta como um morango? Pensou no fato de nunca conseguir evitar as caretas que fazia toda vez que mordia um morango, mesmo quando estava muito bom. Ah sim, sua vida era uma sucessão de caretas nas horas erradas.
                E sob seus pés passavam as horas, passavam os sonhos. Passavam as Nuvens.
                Quando o amarelo envolvente começou a enegrecer, a menina começou a ouvir o som de água. Ás suas vistas, uma floresta inteira feita de vapor de nuvens. Uma bela floresta sob as estrelas nítidas do céu sobre o céu das nuvens.
                Seus pés a guiaram rumo ao som, pelas árvores de copas sombreadas e grama branca úmida, até uma clareira ampla.
                Ali uma cachoeira invertida surgia de um vão na nuvem, subindo magistral com uma água límpida, quase na cor do gelo. No ponto mais alto em que podia chegar ela se evaporava e o vapor disforme ia-se espalhando pelo céu. E ao descer formava todo aquele mundo de nuvens.
                A menina caminhou para fora das árvores, para dentro da clareira e dali viu, tão próximo da nascente da cachoeira, um rapaz cujos olhos tão chuvosos pareciam se misturar com o movimento das águas.
“Boa noite” ele sussurrou com ares de surpresa.
                E sua voz ecoou como vento no rosto da menina.
Crônica das nuvens... continua...

MALAMADA:Pastel Raindrops Giveaway

Estava eu passeando pelo painel e encontrei esse sorteio magnífico.
Não que eu tenha muita esperança de ganhar, mas vou torcer pra caramba!! SUHASUHASU
Participem vocês também!!<3
Pastel Raindrops, participem aqui!

Imagina ganhar essas coisas lindas???!!
Beijo gente!

03 setembro 2011

Confinada

Assim, como ninguém. O nada. O caos. Pra sempre... eu sou a tristeza que você se recusa a abandonar
Como doem as idas e vindas,
As reviravoltas que a vida vai dando
Ao meu redor(são momentos)
E logo meus olhos se tomam por um breu profundo(o silêncio cálido, o ruído o mais completo nada)
Porque é assim que a vida prega peças(as batidas descompassadas do meu coração)
É assim que eu me crio(nas coisas em vão)
Na negação desses desejos(oblíquos e dissimulados)
A vida das indiferenças(estas tão pacíficas)
E é assim que tem que ser.(até um fim incerto)


É essa a essência do ser humano?
A expectativa é maior do que o momento.

27 agosto 2011

Crônica das nuvens

Capítulo I

                Eu nunca entendi bem de física ou química. Não sei qual é a média de vida de uma nuvem. Talvez um dia quando fica pesada e se acaba em chuva. Ou um mês vagando num deserto. Não sei.
                A única coisa que sei é que a nuvem dessa história durou tempo suficiente para merecer uma crônica.
                Tudo começa num início de tarde. A chuva caia torrencialmente enquanto a menina dentro de casa lia um livro ao lado da janela. A mãe pesquisava receitas no computador da sala.
                As cinco em ponto, fim de tarde, parou a chuva. A menina se preparou para ligar as luzes, pois o sol deveria se pôr naquele momento. Mas o vidro refletia uma luz laranja nas páginas de seu livro.
                E ao lado da janela, num dia tão simplesmente ordinário ela contemplou as cores de um crepúsculo incomum, e o céu em chamas exibiu-se para seus olhos castanhos como o céu mais bonito do mundo.

                De chinelo e baby doll branco, revirou a gaveta em busca da câmera fotográfica. Correu para fora e , ao passar pela mãe no computador tudo o que disse foi:
-Vou lá.
                E não aguardou uma resposta. Ao parar no meio do asfalto molhado, as pernas respingadas de piche e talvez barro, inclinou o pescoço ao máximo que pôde e abriu os braços. Suas orbes iam-se enchendo de lágrimas naquele momento.
                Por um instante a sensação de existência sumiu e, ali onde estava era um outro lugar que não a vida. Seu peito se esvaziou das preocupações do dia-a-dia.
                O vento úmido, o som de sua respiração, os pássaros iam alçando vôo depois da chuva e sentia-se tão leve que se ficasse na ponta dos pés iria logo com eles.
                A terra girava e só.
                E as nuvens laranjas desciam rosadas até os braços abertos da menina. Num abraço gentil, tudo o que restava no asfalto era uma câmera molhada.

“Você sabe o que é aquela sensação de falta de um sentido, das noites mal-acordadas no escuro de sequer saber quem é você? É nesse momento, como se eu sentisse, que as nuvens finalmente viriam me levar para um outro lugar…”
Crônica das nuvens… continua…